The New Yooker Times Educação by G1
Terceirizadas que prestavam serviço na UFSM também foram dispensadas, em função da contenção de gastos. Universidade teve redução de 34% no repasse de verbas. Restaurante Universitário de Santa Maria não servirá mais suco pela falta de recursos
O contingenciamento de verbas destinadas pelo governo federal fez com que a Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) tomasse a decisão de cortar o suco que era servido no restaurante universitário a partir desta segunda-feira (19). Além disso, terceirizadas de várias áreas foram dispensadas em função do corte de gastos.
Conforme a universidade, neste ano a redução no orçamento foi de 34%, o maior desde 2014. O montante previsto para 2019 era R$ 137 milhões, mas com o corte, caiu para R$ 91 milhões.
Com isso, a equipe técnica de nutricionistas decidiu por cortar o suco, deixando a água como opção. São servidas cerca de 9 mil refeições servidas aos estudantes por dia, a R$ 2,50. Para alunos carentes, a refeição é gratuita.
A universidade ainda informa que com a queda nos repasses, 50% do orçamento destinado ao funcionamento das unidades internar. Os projetos mantidos pela instituição são custeados de acordo com a necessidade de desembolso mensal, explica a universidade, através de sua assessoria de imprensa.
Menos bolsas do CNPQ
Além disso, nesta segunda-feira também foram suspensas 13 bolsas de iniciação científica do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPQ) da universidade, em função do corte de despesas da entidade.
Conforme a UFSM, são bolsas que estavam previstas, mas cujos bolsistas ainda não haviam sido indicados. Com isso, a instituição, que contava com 412 bolsas PIBIC, passou a possuir 399 desta modalidade.
Outras bolsas financiadas pelo CNPq na instituição não foram afetadas com este corte. No entanto, para a Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, há a perspectiva de que possam haver cortes na indicação de novos bolsistas também nestas outras modalidades a partir de setembro.

revisado e postado por Urandir Martinez
fonte: g1.globo.com