The New Yooker Times Educação by G1
   urandir   EDUCACAO   Cortes de despesas na UFU são avaliados por professora e aluno que 
projetam reflexos negativos
Universidade anunciou mudanças que passam a valer na próxima semana. Pró-reitor disse que maiores reflexos podem ser sentidos no ano que vem. Veja o que será afetado. Universidade Federal de Uberlândia (UFU) divulgou medidas necessárias para contenção de despesas
Reprodução/TV Integração
Depois que a Universidade Federal de Uberlândia (UFU) anunciou a suspensão de alguns serviços para conter gastos, a reportagem do MG1 foi ao campus Santa Mônica ouvir a opinião de integrantes da comunidade acadêmica sobre os reflexos.
O pró-reitor de Planejamento e Administração, Darizon Alves de Andrade, também explicou sobre a crise enfrentada e as consequências práticas dos cortes (veja abaixo).
Segundo a professora e coordenadora do escritório de Assistência Jurídica Popular da Faculdade de Direito Professor Jacy de Assis, Neiva Flávia de Oliveira, os serviços terceirizados que serão prejudicados fazem parte das demandas básicas do dia a dia da universidade.
“Tirar os terceirizados, como nas áreas de limpeza, segurança e transporte, é fechar as portas do funcionamento de diversos setores essenciais da UFU, prejuízo para estudantes, professores e comunidade.”
Na UFU, o contingenciamento de recursos chega a quase R$ 40,5 milhões. Serviços básicos, estrutura, pessoal, pesquisa científica e bolsas serão afetados (veja lista abaixo).
No final de abril, o Ministério da Educação (MEC) bloqueou parte dos recursos de 63 universidades e 38 institutos federais. Segundo o governo federal, a medida foi tomada porque a arrecadação está menor do que o previsto. Até agora, na UFU, o corte não tinha afetado diretamente os alunos.
No entanto, para a professora, não há como a academia evitar as consequências do corte. “No nosso caso, por exemplo, prestamos serviços jurídicos gratuitos há 50 anos e atendemos mais de 100 pessoas por semana. Agora, sem os terceirizados, estamos em sério risco para continuar atuando pela comunidade”, acrescentou.
Deslocamento
Uma das alterações que afetam diretamente os estudantes é o deslocamento. Isso porque estão confirmadas a interrupção do serviço de transporte “Intercampi” intermunicipal e a redução do serviço de transporte “Intercampi” entre campus da mesma cidade em 70%. As medidas entram em vigor na próxima semana.
Sobre isso, o estudante de Odontologia, João Victor Soares Pimentel, que utiliza o serviço, disse que boa parte dos alunos terá dificuldade para estudar. “Alguns cursos dependem do deslocamento entre diferentes campi. Alguns alunos moram longe e precisam deste transporte.”
Segundo ele, estes alunos não têm condição de gastar com transporte diário. “Imagina se tiverem que gastar com transporte por aplicativo, por exemplo? É completamente inviável”, questionou.
Novos horários
Foi informado pela universidade os novos horários disponíveis, a partir do dia 26 de agosto, do transporte Intercampi. Confira:
Santa Mônica para Umuarama – 12h30 (dois ônibus)
Umuarama para Santa Mônica – 12h30 (dois ônibus)
Santa Mônica para Glória – 6h30 (um ônibus)
Santa Mônica para Glória – 7h30 (um ônibus)
Glória pra Santa Mônica – 18h30 (dois ônibus)
Umuarama para o Glória – 6h30 (um ônibus)
Glória para Umuarama – 18h30 (um ônibus)
Reitoria
O pró-reitor de Planejamento e Administração, Darizon Alves de Andrade, justificou os motivos e informou que a universidade está fazendo o possível para que os cortes não afetem as salas de aula.
“Se a situação não melhorar, as consequências podem ser sentidas no ano que vem, como fechamento de serviços básicos e risco de não encerrar o semestre”, afirmou.
Prejuízos
A UFU confirmou também a suspensão temporária de 100% do contrato de lanches e a redução do quadro de estagiários em 60% do quadro hoje existente.
As medidas também afetarão os programas de bolsas. De acordo com a UFU, será temporariamente suspensa a implementação do “Programa Bolsas de Graduação – PBG” com início originalmente previsto para setembro 2019.
Também foi confirmada a suspensão do pagamento de bolsas de iniciação científica relativas a contrapartida da UFU para com a Fapemig a partir de setembro/2019.
Um programa com duzentas bolsas de graduação foi adiado até que haja sinalização de retomada de recursos pelo governo federal.
Veja lista das medidas divulgada pela reitoria
1. Redução em 50% da quantidade de postos de trabalho nos contratos de mão de obra; (cerca de 1.000 novos desempregados diretos);
2. Suspensão temporária de contratos de prestação de serviços por demanda tais como: serralheria, pintura, forros e dry wall, pisos, vidraçaria, persianas, divisórias, vidros, chaveiros e outros;
3. Interrupção do Serviço de transporte “Intercampi” intermunicipal;
4. Redução do Serviço de transporte “Intercampi” entre campus da mesma cidade, em 70% em relação ao serviço oferecido atualmente;
5. Suspensão de viagens de ônibus/carros a destinos cuja distância de Uberlândia seja superior a 500 Km;
6. Suspensão imediata do pagamento de subsídio do quilômetro rodado por parte da PROPLAD;
7. Suspensão temporária de 100% (cem por cento) do contrato de lanches;
8. Redução do quadro de estagiários em 60% (sessenta por cento) do quadro hoje existente;
9. Suspensão temporária da implementação do “Programa Bolsas de Graduação – PBG” com início originalmente previsto para setembro 2019;
10. Suspensão do pagamento de bolsas de iniciação científica relativas a contrapartida da UFU para com a Fapemig a partir de setembro/2019.

revisado e postado por Urandir Martinez
fonte: g1.globo.com