Notícias Internacionais – The New Yooker Times


A preocupação nos EUA com o avanço da China: Uma ameaça maior que a União Soviética   The New Yooker Times 9b47 109568066 gettyimages 1180493919   urandir   MUNDO   A preocupação nos EUA com o avanço da China: Uma ameaça maior que a União Soviética
Rivalidade entre duas superpotências que não se limita apenas ao comércio, mas passa por áreas como economia, defesa, cultura e tecnologia. Presidente dos EUA, Donald Trump, e vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, selam acordo comercial inicial no Salão Oval da Casa Branca.
Getty Images
Há esperanças crescentes em Washington e Pequim de que um acordo para ajudar a resolver a guerra comercial EUA-China possa ser selado em breve. Mas essa é uma rivalidade entre duas superpotências que não se limita apenas ao comércio, mas passa por áreas como economia, defesa, cultura e tecnologia.
Então, o que os Estados Unidos querem da China – e qual será a cartada final dos americanos?
A resposta curta é o acordo comercial “fase um” selado com um aperto de mãos entre o presidente Trump e o vice-primeiro-ministro chinês Liu He no salão Oval no mês passado. Mas as tensões entre os dois países são muito mais profundas do que apenas o comércio, e ninguém com quem conversei em Washington acha que esse acordo básico fará muita diferença por si só.
Houve uma mudança negativa pronunciada de atitudes em relação à China nos EUA nos últimos anos, e é importante perceber que essa mudança é anterior à chegada de Trump na Casa Branca.
“Acho que se você tivesse visto uma presidência de Hillary Clinton, ou outro democrata ou outro republicano em 2016, teria visto essa mudança acentuada”, diz Daniel Kliman, ex-consultor sênior do departamento de defesa dos EUA.
“Havia uma sensação de que nossa abordagem para a China não estava funcionando”, diz Kliman, agora diretor do Programa de Segurança da Ásia-Pacífico no Centro para uma Nova Segurança Americana (CNAS).
Atitudes dos EUA em relação à China mudariam independentemente de quem estivesse na Casa Branca, diz Daniel Kliman
BBC
Existem muitas razões para esse aumento nas tensões. Os benefícios econômicos prometidos pela China ingressando na Organização Mundial do Comércio em 2001 nunca se concretizaram, diz Ray Bowen, que trabalhou para o governo dos EUA como analista econômico de 2001 a 2018.
A China nunca teve em vista seguir as regras, diz ele. “É mais o caso da China querer ingressar em fóruns multilaterais para começar a mudar a forma como os fóruns multinacionais regulam o comércio global”. Em outras palavras, a China se uniu com a intenção de mudar, e não de mudar.
China sempre quis mudar a maneira como o comércio global é regulamentado, diz Ray Bowen
BBC
O resultado foi uma vasta onda de perdas de empregos e fechamento de fábricas nos EUA, conhecido como “choque na China”. Os chamados “estados do cinturão da ferrugem” (onde as indústrias americanas estão concentradas) que votaram no presidente Trump em 2016 foram os que mais sofreram.
Muitas empresas americanas transferiram a produção para a China para se beneficiar de custos trabalhistas mais baixos. No entanto, de acordo com Daniel Kliman, elas pagaram um alto preço por essa mudança de endereço: “A China as obrigou a entregar sua tecnologia e propriedade intelectual”, diz ele.
E mesmo as empresas que não realocaram a produção descobriram que a China de alguma forma se apossou de seus segredos comerciais. As agências policiais nos EUA têm uma longa lista de acusações contra indivíduos e empresas chinesas por espionagem e hackers.
Existem mais de mil investigações de roubo de propriedade intelectual de empresas americanas que levam à China, diz Christopher Wray, chefe do FBI
Getty Images
O diretor do FBI, Christopher Wray, disse recentemente ao Congresso dos EUA que existem atualmente pelo menos 1 mil investigações em andamento sobre o roubo de propriedade intelectual de empresas americanas que envolvem a China.
O governo dos EUA estimou que o valor total da propriedade intelectual roubada pela China nos quatro anos até 2017 em US$ 1,2 bilhão (936 bilhões de libras).
De acordo com Dean Cheng, da Heritage Foundation, um think tank conservador dos EUA, essa é a principal razão pela qual as relações entre os EUA e a China azedaram.
China tentou “ser capaz de cortar a artéria carótida do comércio global”, diz Dean Cheng
BBC
“Quando descobrem que suas patentes estão sendo desfeitas, quando seus produtos estão com engenharia reversa, quando seus processos de pesquisa e desenvolvimento estão sendo invadidos, mais e mais empresas concluíram que a parceria com a China não estava se mostrando lucrativa e poderia realmente ser totalmente negativa”, diz ele.
De dentro do governo, o analista econômico Ray Bowen diz que notou a mudança de humor no final de 2015. Quem anteriormente defendia o envolvimento com a China agora se mostrava alarmado ao ver a rapidez com que o gigante asiático estava se aproximando.
Ao mesmo tempo, no Pentágono, o Brigadeiro-General Robert Spalding liderava uma equipe de pessoas que tentava formular uma nova estratégia de segurança nacional para lidar com a ascensão e influência do país.
Spalding deixou as forças armadas e escreveu um livro chamado “Stealth War, How China Took Over While America’s Elite Slept” (“Guerra Escondida, como a China assumiu o poder enquanto a elite americana dormia”, em tradução livre).
China é “uma ameaça muito maior do que a União Soviética”, diz general Robert Spalding
BBC
Quando questionada sobre a ameaça que a China representa para os interesses dos EUA, a resposta do general Spalding é gritante. “É a ameaça existencial mais significativa desde o partido nazista na Segunda Guerra Mundial”.
“Acho que é uma ameaça muito maior do que a União Soviética. Como a economia número dois do mundo, seu alcance, particularmente nos governos e em todas as instituições do Ocidente, excede em muito o que os soviéticos poderiam jamais imaginar”.
O resultado do trabalho de Spalding no Pentágono foi a Estratégia de Segurança Nacional, publicada em dezembro de 2017. É considerado o principal documento do governo, projetado para orientar todos os departamentos, e representa uma profunda mudança de abordagem, de acordo com Bonnie Glaser, diretora do Projeto China Power no Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais.
“Agora houve um movimento longe da guerra contra o terror e, em vez disso, a competição entre as principais potências tomou o lugar do terrorismo como a maior ameaça aos Estados Unidos”, diz ela.
China construiu e militarizou uma série de ilhas artificiais como esta no Mar do Sul da China
Gallo Images
O departamento de defesa dos EUA agora acredita que enfrentar a ascensão da China é um dos principais objetivos militares dos Estados Unidos nas próximas décadas. A velocidade com que a China construiu e depois militarizou uma série de ilhas artificiais no Mar da China Meridional, desafiando o direito internacional, tem alarmado muitas pessoas em Washington.
Segundo Dean Cheng, US$ 5,3 trilhões (R$ 22 trilhões) de comércio passam pela área a cada ano. “As ações da China foram, em certo sentido, uma tentativa de conseguir cortar a artéria carótida do comércio global”, diz ele.
A China tem sido muito clara em suas ambições de liderar o mundo nas importantes tecnologias do futuro, como robótica e Inteligência Artificial (IA). “Isso é muito importante para a competição agora”, diz Bonnie Glaser, “porque se a China tivesse sucesso nessas áreas, provavelmente suplantaria os Estados Unidos como a principal potência do mundo”.
É isso que está em jogo agora. A supremacia militar dos EUA não se baseia em um enorme exército permanente, mas em sistemas de armas de alta tecnologia. Se a China liderar essas tecnologias cruciais, talvez os EUA não consigam acompanhar por muito tempo.
Daniel Kliman acredita que a corrida tecnológica não militar também é crucial. “A China não apenas aperfeiçoa tecnologias para vigilância e censura em casa, mas exporta cada vez mais essas tecnologias, além de finanças e conhecimentos no exterior”.
Ele diz acreditar que a batalha com o que chama de “autoritarismo de alta tecnologia” é uma batalha que se tornará cada vez mais central na conversa sobre a China.
EUA agora veem concorrência de outras potências como sua maior ameaça, diz Bonnie Glaser
BBC
Portanto, não espere que a posição dos EUA sobre a China mude no curto prazo, mesmo que o presidente Trump perca as próximas eleições. O clima em Washington mudou.
A única verdadeira conversa política não é sobre a China, mas a melhor forma de fazê-la. Muitos democratas preferem se envolver com aliados contra a abordagem unilateral do presidente Trump. No entanto, a maioria dos democratas sabe que há poucos votos advogando uma política mais suave da China.

The New Yooker Times – Notícias Internacionais
fonte: g1.globo.com revisão Urandir Martinez