Notícias Internacionais – The New Yooker Times


Como retirada das tropas americanas ordenada por Trump modifica a guerra na Síria   The New Yooker Times 83bb soldados12   urandir   MUNDO   Como retirada das tropas americanas ordenada por Trump modifica a guerra na Síria
Ao abandonar os curdos sírios à própria sorte, EUA abrem uma série de oportunidades para Síria, Rússia e Irã. Rebeldes sírios e soldados turcos, apoiados pela Turquia, observam fumaça na cidade fronteiriça síria Ras al-Ain no sábado (12)
Nazeer Al-Khatib / AFP
Bastou uma semana para o mapa da guerra na Síria ser reformulado — depois que o presidente dos EUA, Donald Trump, usou o que chamou de “grande e inigualável sabedoria” para ordenar a retirada das tropas americanas do norte do país.
Ao abandonar os curdos sírios, aliados dos EUA, à própria sorte, Trump desencadeou uma série de acontecimentos, abrindo um leque de oportunidades para a Turquia; para o governo do presidente sírio, Bashar al-Assad, e seus aliados, Rússia e Irã; e para os jihadistas do grupo extremista autodenominado Estado Islâmico.
Oito anos de guerra na Síria afetaram e modificaram o Oriente Médio. E, na última semana, houve outro momento decisivo. Talvez a sabedoria do presidente Trump o tenha ajudado a prever acontecimentos. Ou talvez o hábito de seguir seus instintos seja um erro grave quando se trata das infinitas complexidades do Oriente Médio.
Atores estrangeiros
Há anos, ficou claro que o destino da Síria seria decidido por estrangeiros, e não pelos próprios sírios. Repetidas intervenções sustentaram e escalaram a guerra. Escrever sobre a disputa por influência e poder na Síria deve começar pelas vítimas da guerra. Cada arrocho militar significa tragédia e, muitas vezes, a morte de civis.
Assistir a vídeos do sofrimento deles deveria ser obrigatório para os líderes que dão as ordens. Não é difícil encontrar essas imagens na internet e na televisão.
A decisão do presidente Trump de retirar os EUA do que chamou de “guerra sem fim” deu à Turquia sinal verde para enviar tropas para a Síria.
O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, declarou que seu alvo eram os curdos das Forças Democráticas da Síria (FDS), que são aliados dos rebeldes curdos de seu país. O plano dele é controlar os dois lados da fronteira no nordeste da Síria e estabelecer uma zona de ocupação de cerca de 32 quilômetros — para onde ele quer mandar um milhão ou mais de refugiados sírios.
Militares da Síria chegam à cidade de Ain Issa, imagem de 14 de outubro de 2019
Divulgação/Sana/Reuters
Quando os EUA decidiram equipar e treinar curdos sírios, assim como alguns árabes, para combater o Estado Islâmico, eles estavam cientes de um problema em potencial: seus futuros aliados curdos eram considerados terroristas pela Turquia, aliada da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). Washington fez vista grossa para um problema que poderia ser jogado para o futuro. Agora o futuro chegou — e foi pelos ares.
Há uma semana, um pequeno número de militares americanos era o símbolo tangível do que parecia ser uma garantia de segurança para os curdos sírios, que se tornaram aliados vitais na guerra contra os jihadistas extremistas do Estado Islâmico.
Os curdos lutaram e morreram em solo, enquanto os EUA, o Reino Unido e outros países forneceram poderio aéreo e tropas das forças especiais. Quando o califado autoproclamado pelo Estado Islâmico caiu, os curdos se mobilizaram e prenderam milhares de combatentes jihadistas.
Mudança de rumo
Mas no mesmo tempo que levou para o presidente Trump enviar alguns tuítes, os curdos sírios foram forçados a reconhecer que haviam sido abandonados, provocando consternação nas forças armadas americanas.
O secretário de Defesa dos EUA, Mark Esper, negou que os curdos tivessem sido abandonados. Mas com o avanço dos turcos e a retirada dos americanos, não foi o que os curdos sírios sentiram. Mais uma vez em sua história conturbada, eles se tornaram aliados descartáveis ​​de uma potência estrangeira. E se voltaram para seus antigos inimigos em Damasco.
No domingo, os curdos anunciaram um acordo com o regime do presidente sírio, Bashar al-Assad, concordando que suas tropas poderiam avançar para a zona que não era controlada por Damasco desde 2012, bem perto da fronteira com a Turquia.
Uma nuvem de fumaça é vista na cidade síria de Ras al-Ain, do lado turco da fronteira em Ceylanpinar, no distrito de Sanliurfa, na primeira semana de operação militar turca contra as forças curdas
Ozan Kose/AFP
Essa é uma grande vitória para o regime. As tropas deixaram rapidamente as bases que mantinham no nordeste do país. Os partidários de Assad desenterraram as bandeiras do regime.
Foi um dia desastroso para a política americana no Oriente Médio. A aliança com os curdos e a garantia de segurança que protegia seu território autônomo na Síria deram aos americanos uma participação no fim da guerra.
Foi também uma maneira de pressionar os apoiadores do regime de Assad: Rússia e Irã. A retirada dos americanos e o avanço do Exército sírio também são uma vitória para eles.
Novas oportunidades parecem estar se abrindo para os jihadistas extremistas do Estado Islâmico. No aplicativo de mensagens Telegram, eles declararam uma nova campanha de violência na Síria. Embora tenham perdido seu território, o “califado”, aqueles que não foram presos ou mortos se restabeleceram em células adormecidas para realizar ataques de guerrilha.
Agora, com os curdos cambaleando, eles veem a chance de libertar os milhares de combatentes que estão detidos nas prisões curdas. Alguns são assassinos notórios que podem representar uma séria ameaça se saírem carregando armas e bombas novamente — não apenas na Síria, mas em outros lugares.
Legitimamente, os governos do ocidente estão ficando nervosos com uma nova ameaça do Estado Islâmico.
Os governos europeus, preocupados que os problemas do Oriente Médio batam à sua porta, estão pedindo à Turquia que pare a ofensiva.
Alguns membros da Otan veem um cenário de pesadelo se desenrolando, com a Síria, apoiada pelo poderio russo, enfrentando potencialmente a Turquia, membro da Otan. Os russos dizem que estão em contato regular com a Turquia.
Mas em uma zona de guerra fluida e violenta, as chances de percepções equivocadas, erros e agravamento estão sempre presentes.
Talvez o que aconteceu na última semana simplifique o fim da guerra na Síria. Dois grandes atores, os americanos e os curdos, parecem estar fora de cena — enquanto o presidente Assad, juntamente com seus aliados, Rússia e Irã, continua a solidificar sua vitória.

The New Yooker Times – Notícias Internacionais
fonte: g1.globo.com revisão Urandir Martinez