Notícias Internacionais – The New Yooker Times


Hezbollah diz que Irã destruiria Arábia Saudita em caso de guerra   The New Yooker Times 707a 2019 09 18t145702z 2095786690 rc138e6d5520 rtrmadp 3 saudi aramco defense 2    urandir   MUNDO   Hezbollah diz que Irã destruiria Arábia Saudita em caso de guerra
Líder do grupo afirmou que os equipamentos de defesa aérea não iriam deter drones como os que foram usados nos ataques aos campos de petróleo na Arábia Saudita. Supostos restos dos mísseis que foram usados para atacar a instalação de petróleo da Aramco, exibidas pelo governo saudita em coletiva nesta quarta (18).
Hamad I Mohammed/Reuters
O Hezbollah alertou a Arábia Saudita nesta sexta-feira (20) sobre a possibilidade de uma guerra contra o Irã, alegando que isso destruiria o reino, e disse que Riad e os Emirados Árabes Unidos deveriam interromper o conflito no Iêmen para se protegerem.
O líder do grupo islâmico xiita apoiada pelo Irã, Sayyed Hassan Nasrallah, também afirmou que novas defesas aéreas poderiam não proteger a Arábia Saudita do tipo de drones utilizados nos ataques a instalações de petróleo em 14 de setembro.
5 perguntas para entender a rivalidade entre Irã e Arábia Saudita
As tensões na região se agravaram desde os ataques, atribuídos por autoridades sauditas e norte-americanas ao Irã, que nega envolvimento. O grupo houthi do Iêmen reivindicou a autoria dos ataques.
O Hezbollah é um grupo xiita armado criado pela Guarda Revolucionária do Irã em 1982 e uma parte importante de uma aliança regional apoiada por Teerã.
“Não apostem em uma guerra contra o Irã, porque eles vão destruir vocês”, advertiu Nasrallah em um discurso televisionado.
Nasrallah disse que os ataques às instalações da Aramco mostraram a força da aliança apoiada pelo Irã e que as novas defesas aéreas poderão não ser eficientes para defender a Arábia Saudita, devido ao seu tamanho e à capacidade de manobra dos drones usados.
Novas defesas aéreas “seriam muito caras e não servirão”, afirmou. Seu conselho para a Arábia Saudita e seus aliados nos Emirados Árabes Unidos foi parar a guerra no Iêmen.
Observando as ameaças do movimento houthi contra os Emirados Árabes Unidos, ele acrescentou: “O que protegerá as instalações e a infraestrutura na Arábia Saudita e nos Emirados Árabes Unidos será a interrupção da guerra contra o povo iemenita”.
Guerra total
Javad Zarif, ministro das Relações Exteriores do Irã, disse na quinta-feira (19) que haverá uma guerra se o seu país for atacado pelos Estados Unidos ou pela Arábia Saudita.
Ele deu a declaração à rede de TV CNN. Ao ser perguntado sobre qual seria a consequência de um ataque militar contra o Irã, Zarif respondeu: “Guerra total”, e que os sauditas teriam que lutar “até o último soldado americano”.
O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, respondeu com a afirmação de que seu país está fazendo uma coalizão para deter o Irã, mas que busca uma saída pacífica.
“Nós ainda estamos nos esforçando para construir uma coalizão em um ato de diplomacia enquanto o ministro de Relações Exteriores do Irã ameaça com uma guerra total e lutar até o último americano. Estamos aqui para construir uma coalizão para alcançar a paz”, ele afirmou a jornalistas.

The New Yooker Times – Notícias Internacionais
fonte: g1.globo.com revisão Urandir Martinez