Notícias Internacionais – The New Yooker Times


‘Almirante Kuznetsov’, o único porta-aviões russo, está ancorado em Murmansk, no norte do país. O porta-aviões russo “Almirante Kuznetsov”, o único do país, sofreu um incêndio nesta quinta-feira (12). Dez pessoas ficaram feridas e seis foram levadas para unidades de terapia intensiva. Um operário é considerado desaparecido, segundo as agências de notícias russas.
A embarcação estava atracado desde o início de 2017 no cais de Murmansk, no norte do país, para ser reparado. A manutenção estava prevista para ser concluída até 2021.
Segundo a agência Ria Novosti, que cita o estaleiro Zvezdochka responsável pelas obras, o incêndio começou enquanto as operações de soldagem estavam em andamento. Mais de 400 pessoas trabalhavam na embarcação no momento do incêndio, segundo a agência TASS.
“O incêndio, que ocorreu na primeira sala de máquinas, não excedeu seus limites”, disse uma fonte dos serviços de emergência à agência TASS.
“Foi provocado por um erro humano”, informou à agência Interfax Alexei Rakhmanov, presidente da companhia pública United Shipbuilding Corporation (USC), proprietária do Zvezdochka.
Ele acrescentou que uma investigação foi aberta para descobrir se o trabalho de solda estava sendo realizado em conformidade com as normas de segurança.
O fogo, que se espalhou por uma área que varia de 120 a 600 metros quadrados, ainda não foi controlado.
O ministério da Defesa, citado pelas agências, afirmou que “dois militares receberam assistência médica”, mas que “a vida deles não está em perigo”.
Mais de 400 pessoas estavam no navio quando o incêndio começou, disse um porta-voz do Zvezdochka à TASS. “Todos os trabalhadores no porta-aviões foram evacuados”, afirmou a empresa USC, citada pela Ria Novosti.
Problemas anteriores
Colocado em serviço em 1990, o Almirante Kuznetsov foi destacado nos últimos anos no Mediterrâneo, como parte da intervenção russa na Síria. Durante esta missão, dois aviões de combate caíram ao tentar pousar no navio. Nas duas ocasiões, os pilotos conseguiram se ejetar.
Em 2009, um incêndio causado por um curto-circuito quando o porta-aviões estava ancorado na Turquia matou um marinheiro.
No último incidente, em outubro de 2018, um guindaste de quinze metros desabou sobre a ponte do Almirante Kuznetsov.
Alvo de zombaria recorrente na Rússia e no exterior, o Almirante Kuznetsov não era submetido a grandes reparos desde 1997. Cada um de seus problemas suscita o debate sobre a construção de um segundo porta-aviões, até então adiada por razões financeiras.

The New Yooker Times – Notícias Internacionais
fonte: g1.globo.com revisão Urandir Martinez