Notícias Internacionais – The New Yooker Times


Venezuelanos protestam contra relatório da ONU que pede a Maduro parar de violar direitos humanos   The New Yooker Times 32c2 2019 07 13t212048z 515496101 rc1e2d072f20 rtrmadp 3 venezuela politics protest un   urandir   MUNDO   Venezuelanos protestam contra relatório da ONU que pede a Maduro parar de violar direitos humanos
Documento da agência da ONU para Direitos Humanos foi publicado pouco depois de uma visita à Caracas da alta comissária Michele Bachelet. Protestantes vão às ruas contra relatório da agência da ONU para Direitos Humanos
Reuters/Carlos Garcia Rawlins
Manifestantes venezuelanos apoiadores de Nicolás Maduro protestaram neste sábado (13) em Caracas e outros estados contra relatório, publicado após visita da alta comissária da ONU para Direitos Humanos, Michelle Bachelet, sobre a Venezuela.
“O nosso povo rejeita em cada uma das seus partes esse relatório apresentado pela senhora Bachelet e condena a atitude hipócrita, condena a atitude submissa, condena a atitude de cúmplice da senhora Bachelet”, declarou o homem considerado o número dois do chavismo, Diosdado Cabello, que liderou a mobilização e o comício que aconteceu em seguida.
Manifestantes protestam contra relatório da ONU sobre a Venezuela
Reuters/Carlos Garcia Rawlins
Relatório da ONU
O relatório apresentado por Bachelet na semana passada pede que o governo do presidente venezuelano Nicolás Maduro pare com as graves violações de direitos na Venezuela.
O documento denuncia que, especialmente desde 2016, o regime de Maduro e suas instituições iniciaram uma estratégia “orientada a neutralizar, reprimir e criminalizar a oposição política e quem critica o governo” com detenções arbitrárias, maus tratos e torturas.
Entre outros graves fatos, o documento relata mais de 6.800 execuções extrajudiciais por parte das forças de segurança venezuelanas entre janeiro de 2018 e maio de 2019.
Para os governistas, o relatório apresentado por Bachelet, que visitou a Venezuela em junho para constatar a situação de direitos humanos, foi redigido pelo enviado dos EUA para a Venezuela, Elliott Abrams.
O presidente Nicolás Maduro não participou da manifestação, mas celebrou, através de sua conta no Twitter, as mobilizações, que chamou de “extraordinárias”.
Entre os manifestantes, estavam funcionários públicos e representantes de movimentos chavistas, que pediam a Bachelet que não se deixasse “manipular” pelo “império”.
“Nada do que diz esse relatório é a realidade que estamos vivendo”, disse à Agência Efe Gregoria David, uma das encarregadas da equipe de distribuição do programa de alimentação do governo, conhecido como CLAP.
Oficial torturado e morto
Há duas semanas, Bachelet pediu uma investigação independente, imparcial e transparente sobre a morte do capitão venezuelano Rafael Acosta, que estava sob custódia do governo, que o acusava de conspirar para assassinar Nicolás Maduro.
Rafael Costa Arévalo, militar venezuelano morto dias depois de ser preso. Oposição ao chavismo afirma que ele sofreu tortura
@jguaido/Reprodução/Twitter
O documento indica que há ao menos 793 pessoas privadas de liberdade, entre elas 58 mulheres, e que 22 deputados da Assembleia Nacional, inclusive o presidente da Casa, Juan Guaidó (que, em janeiro, se autoproclamou presidente da Venezuela), perderam a imunidade parlamentária.
Segundo o relatório, frente a esses abusos, são poucas as pessoas que apresentam denúncias por medo de represálias ou falta de confiança no sistema judicial.
O documento também detecta uma degradação da liberdade de expressão, com uma tentativa, por parte do governo, de impor sua própria versão dos fatos e criar um ambiente que restringe os meios de comunicação independentes.
“Peço a todas as pessoas com poder e influência, tanto na Venezuela como no resto do mundo, para que colaborem e firmem os compromissos necessários para resolver essa crise que está arrasando tudo”, escreve, no texto, Bachelet.

The New Yooker Times – Notícias Internacionais
fonte: g1.globo.com revisão Urandir Martinez